Vale a pena investir na pós-graduação de gestão pública? Descubra!

Sharing is caring!

Muitas pessoas não sabem se realmente vale a pena investir em uma pós-graduação em gestão pública por não entenderem o que é o curso, o que faz um gestor público e quais são as possibilidades no mercado.

Pensando nisso, resolvemos mostrar como o gestor público está apto para atuar na administração das diferentes esferas governamentais e nas diversas organizações que compõem o setor público. Essa atuação pode ocorrer em níveis e áreas com finalidades bem distintas: recursos humanos, gestão dos bens públicos, atuação política, etc.

Com essa gama de possibilidades, perceba que essa pós-graduação é indicada tanto para profissionais do setor público que querem se aperfeiçoar quanto para os que querem ingressar profissionalmente na área. Se você tem algum desses interesses e quer conhecer mais sobre o curso, este texto é para você! Confira!

O que é estudado em uma pós-graduação em gestão pública?

Para quem atua em um cargo público, as possibilidades da carreira já são bem claras, mas a necessidade de qualificação nem sempre. Portanto, vale ressaltar que a qualificação é extremamente importante.

O gestor público trabalha em busca da eficiência, da otimização, do melhoramento e do desenvolvimento do setor público, e esse resultado só poderá ser alcançado se o profissional investir em seu conhecimento e formação.

Por isso, na pós-graduação em gestão pública os alunos têm aulas interdisciplinares que adotam temas variados, tais como:

  • formulação, gestão e avaliação de políticas públicas;
  • contabilidade e administração pública;
  • finanças públicas;
  • planejamento estratégico;
  • fundamentos, objetivos e obrigações do Estado;
  • governança corporativa;
  • gestão da qualidade;
  • técnicas de auditoria governamental.

Essa especialização dura entre 6 meses e 2 anos — o tempo varia de acordo com a instituição — e, durante o curso, pode ser encontrada nas modalidades EAD e presencial, ficando a critério do estudante optar pela modalidade que melhor o atenda.

Qual o perfil do gestor público?

Agora que ficou mais claro como o curso funciona e quais são os seus objetivos, vamos falar sobre quais são as características e os pré-requisitos necessários para quem quer fazer o curso.

A principal característica do gestor público é saber levar em consideração o bem da coletividade. Isso significa que são atributos desejáveis no estudante:

  • capacidade de comprometimento;
  • habilidade para otimização de recursos;
  • facilidade — natural ou aprendida — para visualização sistêmica do governo;
  • habilidade em relacionamentos interpessoais e papéis de liderança.

Em relação aos pré-requisitos, em geral, esse curso é voltado para:

  • agentes políticos com graduação em nível superior;
  • servidores públicos;
  • bacharéis graduados em diversas áreas, mas principalmente em Economia, Ciência Política, Ciências Sociais, Direito, Administração e Ciências Contábeis.

Em qual instituição se especializar?

O setor público é uma área estável, mas se tiver bons profissionais, é possivel que sejam feitas inovações constantemente. Pensando socialmente, isso é muito importante! Por isso, o profissional deve sempre melhorar seus conhecimentos.

Economistas, cientistas políticos, bacharéis, entre outros, são profissionais que podem oferecer um leque de conhecimento atuando nessa área. Entretanto, o setor público apresenta especificidades que serão melhor abordadas se o profissional fizer uma pós-graduação.

Sendo assim, programe-se para iniciar sua especialização e escolha uma instituição de ensino de qualidade. Esse curso pode ser encontrado em instituições como a Estácio, a FECAP e a Unisul.

Se você acessou o link da FECAP, deve estar se perguntando se vale a pena investir em um curso EAD, certo? Se esse é o seu caso, confira as vantagens dessa modalidade no tópico a seguir!

Quais são as vantagens de fazer esse curso na modalidade EAD em gestão pública?

A educação a distância é, segundo o Ministério da Educação (MEC), a modalidade de ensino que mais cresce no país. Talvez porque ela seja a solução para quem deseja continuar os estudos e progredir na carreira, mas possui uma agenda apertada. Confira algumas vantagens abaixo!

O Curso de gestão pública na modalidade EAD é rigorosamente avaliada pelo MEC

O crescimento e as contínuas aprovações de novas turmas pelo MEC mostram que a modalidade vem ganhando espaço entre os estudantes, deixando para trás a resistência inicial enfrentada.

Isso acontece porque para que uma instituição educacional funcione, ela precisa de autorização do Ministério da Educação e o órgão não apenas autoriza os cursos EAD, como também faz um rigoroso acompanhamento. São avaliados:

  • a qualificação e titulação dos professores;
  • os recursos didáticos e pedagógicos;
  • a infraestrutura (virtual e física, no caso dos polos de apoio);
  • o cumprimento da legislação educacional vigente no país.

Assim como acontece com os cursos superiores presenciais, os cursos não presenciais — de graduação e de pós-graduação — são avaliados periodicamente. Portanto, a qualidade de ensino é a mesma.

Fazer gestão pública presencialmente ou a distância têm o mesmo valor para o mercado

É importante dizer que a informação sobre a modalidade cursada — presencial ou não presencial — não consta no diploma. Essa é uma forma de garantir que não haverá diferenciação entre os egressos de modalidades de ensino diferentes, já que, por lei, as formações possuem o mesmo valor.

Os estudantes de gestão pública desenvolvem habilidades valorizadas pelo mercado de trabalho

Os recrutadores dos processos seletivos para o mercado de trabalho sabem que os egressos de cursos de gestão pública são pessoas estão atentos à realidade social. Por isso, eles também sabem que esse profissional tem características como:

  • facilidade para fazer planejamentos pensando na área social;
  • proatividade para entender e pesquisar questões públicas;
  • flexibilidade para adaptar tópicos de gestão ao serviço público.

É claro que a formação em si é importante, mas normalmente todos os candidatos para as vagas de emprego possuem a mesma formação. Assim, os processos seletivos tendem a avaliar a capacidade dos concorrentes. 

Este texto buscou mostrar como a máquina pública busca aperfeiçoamento constantemente — é perceptível, por exemplo, como os órgãos públicos, cada vez mais, têm informatizado processos, eliminado trâmites burocráticos, reduzido ou unificado documentos por meio de implantação de sistemas de biometria, certificação digital e digitalização de documentos.

Então, para se destacar, acompanhar e contribuir com esses processos, não basta ter um cargo público: é necessário que se invista em qualificação.

Gostou do texto e quer saber mais sobre a pós-graduação em gestão pública? Entre em contato conosco!

No Comments

Post A Comment

shares